Pesquise no blog

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Vício de Café

   Beber café pode ser mais do que um passatempo agradável. Segundo uma pesquisa feita por uma firma de café, para um grande número de donas de casa o café representa uma forma muito bem estabelecida de vício. Os pesquisadores fizeram uma experiência com 239 donas de casa jovens. As viciadas em café ficavam menos alertas, menos ativas e mais irritáveis quando bebiam café sem cafeína. Só quando recebiam café que continha cafeína achavam que podiam agir normalmente. As abstêmias acharam precisamente o oposto. Se o café não continha nenhuma cafeína, sentiam-se bem, ao passo que se houvesse cafeína nele ficavam com o estômago enjoado e ficavam extremamente nervosas. Ao se aumentar a dose de cafeína, as viciadas sentiam-se melhor e as abstêmias pior. As bebedoras inveteradas pareciam apresentar sintomas de retraimento quando as privavam dele.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 8 de junho de 1970 p. 31

* Imagem: Google

((•)) Ouça este artigo

Heroína Mata Crianças

   O Dr. Michael Baden, médico examinador assistente da cidade de Nova Iorque, calculou que 250 adolescentes morreriam devido ao uso de entorpecentes naquela cidade por volta do fim do ano de 1969. O número total de mortes atribuídas ao uso da heroína até fins do ano passado era de 700. Os programas que tratam de viciados vêm sendo criticados. A Sra. Beraneece Sims, diretora de um grupo antipobreza em Harlem, contou o caso de certo menino de quatro anos que foi descoberto esfregando heroína nas gengivas. Disse que conhecia três casos em que viciados venderam os filhos para exploração sexual para obterem dinheiro para narcóticos. Entre os jovens em Harlem, disse ela, “é agora a exceção ser alguém que não os usa”.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 8 de junho de 1970 pp. 30-31

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Ovos para o café da manhã

   O que acha de comer ovos no café da manhã? Talvez não seja seu costume, mas esse alimento tem vantagens. Há cerca de seis gramas de proteína num só ovo. É também rico em minerais e vitaminas. O ovo é muito similar à carne em seu valor nutritivo. No que diz respeito à proteína, dois ovos equivalem a um pedaço de carne de uns sessenta gramas. Sabia disso?
   Há muitas maneiras em que podem ser preparados. Em vez de sempre servi-los cozidos, fritos ou mexidos, para variar pode consultar livros de culinária que apresentam muitas formas interessantes de prepará-los. Por exemplo, ovos cozidos poderiam ser servidos com um molho cremoso feito de farinha, leite e manteiga. Cortam-se em pedacinhos as claras e misturam-se estas no molho e daí derrama-se o molho em torradas. Ralam-se em cima disso as gemas amarelas. Tal prato de ovos é atraente e saboroso.
   Para uma omelete, adicione coisas como um punhado de pedacinhos de presunto ou um pouco de queijo fresco ou geléia antes de enrolá-la. Poderia ser colocada num pãozinho torrado.
   Ovos escaldados são fáceis de se preparar, e há vários modos em que podem ser servidos. Um é servi-los em torradas. Outro modo é usar metade de um sonho tostado, tipo inglês. Coloque uma fatia redonda de presunto sobre o sonho e a seguir o ovo mexido em cima disso. Derrame em volta, molho hollandaise (feito de gemas de ovo, manteiga e suco de limão, e servido quente).
   Para evitar que ovos cozidos rachem, aqueça eles à temperatura ambiente antes de jogá-los dentro d’água. Ao invés de cozinhar ovos em alta temperatura, o que costuma endurecer as claras e desfazer as gemas, tente cozinhá-los numa temperatura mais baixa. Use 80° C. por um período de tempo mais longo. Isto permitirá que se cozinhem melhor.
   Ao comprar ovos não precisa se preocupar com a cor. Nem a cor nem o tamanho afetam sua qualidade ou valor alimentício.
   Os ovos de galinha são os que mais populares, mas há outros ovos que algumas pessoas apreciam. Ovos de pata, por exemplo, são populares em certos países. Em certas partes do mundo, ovos de tarambola são considerados refeição nobre. Os ovos de muitas outras aves são também usados como alimento em vários lugares. Mas, para o café, é bem provável que prefira ovos de galinha.
   Se decidir acrescentar mais proteína ao seu café da manhã, talvez deseje experimentar ovos, se não forem muito caros onde vive. Os que realmente os comem no café acham que estes lhes dão algo substancial com que aguentar até a próxima refeição.

Texto baseado na  Revista Despertai! de 22 de maio de 1970 pp. 23-24

*Imagens: Google
((•)) Ouça este artigo

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Não critique, ajude.   ((•)) Ouça este artigo

Outras alternativas para adubação composta

   Talvez nenhum dos métodos precedentes se adapte a certas circunstâncias. Então, eis outro modo, especialmente adequado para os que vivem em cidade e que desejariam certificar-se de que não surjam os problemas relacionados com odores, moscas e ratos. Simplesmente enterre os restos de cozinha nos canteiros em que vai plantar no ano seguinte. O material pode ser colocado, não muito apertado, e coberto com uns vinte a vinte e três centímetros de solo. Deve-se dar o prazo de um ano inteiro antes de plantar, de modo a ter certeza de que a decomposição já tenha terminado.
   Pode-se aplicar o mesmo princípio a fim de restaurar a fertilidade do solo ao nível das raízes profundas, digamos, de árvores ou arbustos tais como o lilás. Neste caso, simplesmente cave um buraco fundo onde depositar o lixo. Pode usar seu próprio critério quanto ao tamanho e a profundidade.
    Pode-se fazer uma tampa ao nível do chão para tal buraco. De vez em quando, pode-se acrescentar ao buraco um pouco de cal agrícola e granito pulverizado para assegurar uma fertilização mais completa. Se começarem a surgir odores, podem ser controlados por se cobrir cada camada de lixo com alguns centímetros de terra, usando a terra removida do buraco. Quando o buraco estiver quase cheio, remova a tampa e termine de encher com terra até o nível do chão. Não demorará muito até que veja um notável melhoramento em seu arbusto ou árvore próximos.
   Não é evidente, então, que há muitos modos de se criar um suprimento de bom fertilizante orgânico? Quer viva numa cidade quer numa fazenda, quer seja amador quer experiente em jardinagem, há modos de certificar-se de que suas plantas e flores obtenham os nutrientes necessários a uma produção sadia.
Gostaria de poder suprir sua mesa de frutas e legumes extras a um custo grandemente reduzido? Gostaria de converter um quintal desenxabido num lindo gramado orlado de bonitos arbustos e coloridas flores, com uma luxuriante árvore frondosa aqui e ali? Então, poderia pensar em começar uma pilha de adubo composto. Não precisa jogar fora todo aquele lixo. Use-o para aumentar a fertilidade do solo.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de maio de 1970 pp. 22-23

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Adubação Composta em grandes espaços

   Outro método para adubação composta, exige o uso de grandes tambores de óleo ou de tinta. Estes são primeiro revestidos de alcatrão ou pintados, para impedir que enferrujem, daí, abrem-se buracos de drenagem na parte inferior. Podem ser colocados pouco acima do solo, sobre pedras achatadas ou tijolos. Dessa forma, pode-se movê-los de uma parte para outra do jardim, de modo que várias localidades se beneficiem da drenagem líquida que resulta do material composto. Se a pessoa tiver inclinações artísticas, tais tambores podem ser camuflados com tinta verde ou marrom, ou embelezados com desenhos coloridos.
   Naturalmente, num terreno maior se poderia simplesmente formar a pilha de adubo composto como um grande monte no fundo do terreno. Simplesmente umedeça-o bem e cubra-o com folha de plástico, mantendo-o firme no lugar por empilhar terra ou algumas pedras pesadas em volta da beirada. O plástico promove a decomposição, visto que conserva a umidade e o calor, e não há necessidade de revolver a matéria em fermentação. A pilha acabada deve ser revolvida verticalmente para que as várias camadas de matérias fiquem bem misturadas. Em tempo brando, a pilha deve ficar pronta num mês; o tempo mais frio retarda a decomposição, às vezes por várias semanas.
   Existem outras alternativas para se fazer adubo composto? Sim!
Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de maio de 1970 p. 22

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Adubação Composta em larga escala

   Para formar um adubo composto em maior escala, constrói-se usualmente um depósito em que os vários materiais são colocados em camadas. Primeiro, coloca-se uma camada de grama cortada, aparas de plantas, folhas, palha, e assim por diante, e, daí, uma fina camada de lixo, e então uma camada de estrume, se houver disponível, e, por fim, lança-se um pouco de terra solta. Pode-se adicionar minhocas depois de a pilha ficar umedecida, e isto apressará a decomposição. Uma tampa sólida, que se ajuste perfeitamente, ajudará a manter longe as moscas e os odores desagradáveis.
   Se as aves de rapina constituírem problema, talvez seja suficiente cobrir o depósito com tela para galinheiro. A pilha deve ser mantida úmida, e, visto que o líquido que escoa da pilha leva muitos nutrientes valiosos para o solo debaixo do depósito, talvez seja proveitoso mudar a localização do depósito de tempos a tempos. Por se ter dois depósitos, pode-se começar com um, enquanto o outro está amadurecendo ou sendo usado.
   E para grandes espaços?
Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de maio de 1970 pp. 21-22

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Adubação Composta

   Isto se refere uma variedade de métodos por meio dos quais a matéria vegetal se decompõe e fica reduzida a um húmus escuro e rico. A lógica do processo é óbvia. Simplesmente devolve ao solo aquilo que foi tirado dele. Imita o arranjo natural de coisas, por meio do qual as bactérias e os fungos começam a atacar e decompor toda a matéria morta, eventualmente devolvendo-a ao solo. Este contínuo círculo é o que torna possível que a terra continue a produzir ano após ano, sem perder a fertilidade.
   Mas, não seria muito mais fácil ir a uma loja e comprar um saco de fertilizante químico? Sim, seria, mas tal processo deixa de ter certas vantagens definidas. Não gostaria de economizar o dinheiro do fertilizante comprado na loja? Daí, também, com o fertilizante orgânico natural, jamais precisará preocupar-se de aplicar o mesmo em demasia e “queimar” suas plantas. Ademais, tem de continuar adicionando o fertilizante químico cada ano, ao passo que o fertilizante orgânico edificará a qualidade de seu solo. E muitas pessoas estão convencidas de que o sabor e o valor alimentício são aprimorados com o uso do fertilizante natural.
   Formar o adubo composto não é difícil nem complicado. Há um número tão grande de métodos que é muito provável que um deles satisfaça sua necessidade. Por exemplo, há o método de fazer o adubo composto em sacos de plástico. Usando-se saco grosso, simplesmente corte e costure quatro sacos, cada um pouquinho maior do que uma fronha. Comece a encher um deles com lixo umedecido (grandes pedaços de casca de árvore devem ser cortados), grama cortada, velhos arranjos florais, um pouco de terra solta, e, se disponível, um pouco de estrume. Daí, sele o saco firmemente com um barbante e o deixe decompor-se ao sol, preferivelmente. Todo dia, deve-se revirar o saco. Daí, faça o mesmo com o saco seguinte. Por volta do tempo em que o quarto saco estiver cheio, o conteúdo do primeiro já estará pronto para ser usado.
   E para se fazer adubo composto em larga escala?

Texto baseado na Revista Despertai! de 22 de maio de 1970 p. 21

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Idade da Criação Material

   Alguns cientistas calcularam que nenhuma estrela em nossa galáxia tem idade superior a 10 bilhões de anos. Em adição, alguns cientistas nucleares mediram os elementos radioativos e estáveis na crosta terrestre e obtiveram o mesmo resultado — 10 bilhões. O terceiro relógio cosmológico do Dr. Allan Sandage, baseado na teoria do universo em expansão, obteve o mesmo resultado, a saber, 10 bilhões. Disse o Dr. Sandage: “A concordância dos três relógios — isto é, a expansão do universo, a idade das estrelas mais velhas e a formação dos elementos pesados — aponta, pelo menos para mim, persuasivamente para algum evento notável no passado distante que evidentemente acertou todos os três relógios, pondo-os a funcionar simultaneamente. Deste evento, emergiu o universo conforme o conhecemos — a lua, as estrelas, os planetas, e as galáxias, todos num estado de movimento regular, . . . A expansão do universo começou, formaram-se as galáxias, apareceram as estrelas e fabricaram-se os elementos químicos pesados. Por falta de melhores palavras, alguns astrônomos chamaram este evento o dia de nascimento da criação.”

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 22 de maio de 1970 p. 30

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Não jogue esse lixo fora!

   CONFRONTADO com os crescentes preços de alimentos do mercado de sua vizinhança, já desejou alguma vez poder cultivar em seu próprio quintal dos fundos as frutas e os legumes frescos de que sua família necessita? Ou já se emocionou de ver o belo arranjo de flores coloridas, a grama luxuriante e as plantas artísticas e desejou poder cultivá-las em seu próprio jardim?
   Talvez já tentou fazer algo nesse sentido, e, cheio de grandes esperanças, começou a cavar, plantar, cavoucar o terreno e regá-lo com disposição. Daí — que desapontamento! As poucas plantas que brotaram eram mirradas e dispersas.
   Tais experiências desencorajaram muitos que gostariam de ser jardineiros. Mas, mesmo que for alguém que tenha sucesso moderado em jardinagem, talvez ache que poderia obter ainda mais sucesso. Talvez ache que não tem feito progresso. Seus empenhos, ano após ano, trouxeram pouca melhora.
   Uma solução para tais problemas é simples, barata e está às mãos. O segredo está em utilizar muitas coisas que provavelmente joga fora como inúteis — lixo de sua cozinha, grama aparada de seu gramado, aparas da cerca viva, sementes, folhas. Todas essas coisas são acessórios para o jardim, que podem trazer-lhe ricas recompensas. Transformados devidamente num composto, tais materiais podem ser convertidos em rico fertilizante que coloque em seu solo todos os elementos de que suas plantas necessitem para tornar-se saudáveis, produtivas e belas.
    Assim, enquanto a pessoa tiver pequeno terreno disponível, vale a pena parar — quando chega a hora de desfazer-se do lixo — e perguntar: Poderia parte deste material ser usada como fertilizante? A maior parte de nosso lixo pode-se tornar fertilizante por meio do processo conhecido como "adubação composta".

Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de maio de 1970 pp. 20-21

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

A grande pirâmide de Gizé

   A OBRA arquitetônica da Grande Pirâmide de Quéope em Gizé, Egito, é, em geral, tão admirável quanto seu tamanho. É a maior de todas as pirâmides egípcias, que se diz ter cerca de duzentas.
   Qual o tamanho da Grande Pirâmide? Seu lado médio tem 236 metros e 44 centímetros de comprimento, a altura, da plataforma-base até em cima, é de 146 metros e 85 centímetros. Em sua atual condição desgastada, consiste em mais de 2.300.000 blocos de calcário numulítico, que pesam, em média, duas toneladas e meia cada um, de modo que seu peso total é de cerca de 5.700.000 toneladas. Trocando isso em miúdos, James Baikie fez as seguintes comparações em seu livro A History of Egypt:
   “Calculou-se”, escreve Baikie, “que se poderiam construir com os materiais da pirâmide as casas de uma cidade que contivesse 120.000 pessoas, e que, se se dividissem suas pedras em blocos de um pé quadrado [0,0929 m2], e se colocassem estes com uma ponta encostada na outra, circundariam dois terços da circunferência da terra, à altura do equador. Talvez a melhor idéia da assombrosa magnitude deste enorme túmulo seja a fornecida por uma comparação de sua área com a de alguns edifícios famosos. A área da base da Grande Pirâmide é duas vezes e meia maior que a da Basílica de S. Pedro, cerca de cinco vezes e um quarto maior que a de Milão, seis e três quartos maior que a da Basílica de S. Paulo, e mais de nove vezes maior que a Abadia de Westminster. O conjunto destas quatro grandes catedrais poderia ser agrupado dentro da área da base da pirâmide”.
   A obra arquitetônica da pirâmide é tão impressionante quanto seu tamanho. Pelo que se sabe, não se usou granito na obra exterior. Profunda perícia e curiosa inexatidão, cuidado e descuido, se acham estranhamente combinados nesta pilha colossal. O famoso egiptólogo já falecido, Professor Flinder Petrie, atribuiu esta estranha mistura de boa e medíocre mão-de-obra à suposição de que o arquiteto que orientou o projeto deve ter morrido durante o andamento da construção, deixando um homem de capacidades inferiores acabar a obra.
   Os engenheiros modernos se maravilharam com o modo em que estes blocos de 2 1/2, toneladas foram encaixados um no outro. Estes blocos foram extraídos de pedreiras a uns vinte quilômetros do lado leste do Nilo, transportados de barco durante a época da enchente, daí, segundo se crê, foram movidos em cima de rolos e, com o auxílio de alavancas, levados por uma rampa que se devia estender por pelo menos 300 metros. Cem mil escravos empregaram sua força humana por um período de vinte anos para erigir o monumento.
   Atualmente se gastariam cinco anos e meio e US$ 156.000.000 em dinheiro para erigir um fac-símile de pedra maciça no Central Park, presumindo-se que a pedra poderia ser extraída dentro de um raio de doze milhas [20 km]. Seria mais fácil reproduzir a Grande Pirâmide usando-se concreto e aço do que pedra. Barr, Irons & Lane, firma construtora, calculou que uma estrutura dessas poderia ser construída em 750.000 dias-homens de oito horas cada, em dois anos, ao custo de cerca de US$ 40.000.000 Um engenheiro moderno revestiria de asfalto tal estrutura, por dentro e por fora, ou impregnaria de asfalto o concreto. O tratamento com asfalto teria custado uns US$ 1.000.000 atualmente”.
   Nenhum túmulo como esse já foi jamais erigido na terra antes da conclusão da Grande Pirâmide; nenhum como esse já foi construído desde então, nem é provável que outro desse seja feito algum dia.

Texto baseado na Revista Despertai! de 8 de maio de 1970 pp. 29, 30

* Imagem: Google

((•)) Ouça este artigo
Seja sincero, sem machucar os outros. Para isso é preciso ter o hábito de pensar antes de falar...  ((•)) Ouça este artigo

Diminuta engenheira

   NA PRIMEIRA fila dos engenheiros, arquitetos, inventores e artífices terrestres, encontrará  a humilde aranha do alçapão. Natural das áreas mais quentes do mundo, ela se acha numa classe ímpar graças à sua excepcional habilidade escavadora. Falamos da fêmea, pois o macho leva uma vida errante, não tendo nada que ver com a construção do lar dela, e vivendo fora, em qualquer buraco ou gruta que encontre. Até mesmo na época de namorá-la, tem que ser cuidadoso, pois ela pode atacá-lo e devorá-lo.
   A sobrevivência é uma das principais preocupações da aranha. Diz certo autor: “As aranhas de todos os tipos têm muitos inimigos que possuem enormes vantagens sobre elas, quer com respeito à força quer à agilidade, ou ambas: inimigos dotados de asas, rápidos em movimentar-se, . . . inimigos com ferrões mortíferos como a terrível flecha envenenada com urari, vigilantes, sem misericórdia, prontos para atacá-la; inimigos revestidos de impenetrável couraça de malha, contra os quais as armas da aranha são impotentes, ao passo que o próprio corpo da aranha é macio e vulnerável.” Tem medo de aranhas? Se sim, ela tem mais um forte inimigo contra ela...
   Assim, a Sra. Atipo, a aranha do alçapão, tem de construir um refúgio para si mesma e seus filhotes. O “alçapão” revela o gênio de sua arte. Tão perita é que suas portas acetinadas que pontilham a terra escura são virtualmente invisíveis. Como é que ela camufla tão bem tais portas do tamanho duma moedinha?
O lar dela é profunda cavidade que escava na terra, e que reveste de seda pura, do alto a baixo. A porta gira em dobradiças precisas de seda tecida por ela. Agora a camuflagem: ela engenhosamente esconde a entrada por colocar musgo do lado de fora — musgo vivo retirado da vizinhança próxima — ou ela tecerá folhas mortas e pedaços de graveto ou grama na mesma. O alçapão é feito muito antes de ela terminar o túnel, pois ela tem de ter segurança, enquanto completa à vontade seu lar.
   Quão forte é esta portinha toda-importante? Há dois tipos, o tipo de obreia e o tipo de cortiça, este último sendo o mais forte. Ora, já se viu até a lâmina dum canivete se envergar na tentativa de se tentar abri-la! Quando os inimigos se aproximam do lado de fora, ela corre para fora e mergulha suas presas nela, ao passo que suas unhas pectíneas mergulham a fundo nas laterais sedosas do túnel. Assim, seu corpo age como barra viva, fechando a porta aos intrusos.
   Outros perigos também existem, além dos maiores inimigos como a centopeia. Os seus filhotes precisam ser protegidos da chuva e dos parasitas microscópicos. Seu alçapão se ajusta com tal precisão que, ficam de fora a umidade e os parasitas, e ela consegue nutrir tantos quantos quarenta filhotes de pernas compridas em segurança. Seu lar qual “buraco no chão” é um esconderijo de luxo.
   Veja a mecânica de sua construção: dentro de oito horas ela escavou o equivalente a nove vezes o comprimento de seu próprio corpo. Em comparação, o homem teria de escavar com seus dentes um buraco de quinze metros de profundidade, escorando-o à medida que prosseguisse, e tudo isso em oito horas, ao passo que, durante todo esse tempo se arriscasse a sofrer ataques dos inimigos. Sim, pois ao passo que a Sra. Atipo labuta, “Pepsis”, uma criatura semelhante à vespa anda à sua espreita, procurando aproveitar-se de sua preocupação para aferroá-la até matá-la, cortar-lhe as pernas e arrastá-la.
   Mas, veja só como ela trabalha! Apenas suas mandíbulas e presas são usadas para carregar toda pelotinha de terra escavada, depositando-a uma por uma fora do buraco. O túnel de seda, além de tornar seu lar confortável e escorar as paredes de terra, oferece-lhe ponto de apoio mais seguro do que a terra, ao se ocupar em cuidar da casa e nutrir seus filhotes.
   Comparada com sua eficiência móvel, a maquinaria escavadora do homem é desajeitada e inepta. Suas operações são executadas sem o barulho das escavadoras do homem. A Sra. Atipo não fez qualquer curso de engenharia e projeto, nem obteve quaisquer diplomas. O grande Arquiteto e Delineador de todas as coisas animadas e inanimadas, Jeová Deus, forneceu-lhe a habilidade instintiva de enfrentar seu ambiente.

Fontes: 

* Texto: Revista Despertai! de 8 de maio de 1970 p. 22

* Imagens: Google

((•)) Ouça este artigo

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Tarkan - Usak ( Tradução em português)

 
((•)) Ouça este artigo

Essas incomodativas verrugas

   A MÃO com uma ou mais feias verrugas não é nada agradável de se olhar. Pense em quão aflitivas as verrugas podem ser para a moça cujo desejo natural é ter mãos delicadas. O rapaz também pode ficar contrariado com a feia aparência delas e aborrecido de elas constantemente interferirem em seu trabalho. As mãos, porém, não são o único lugar do corpo em que as verrugas podem aparecer.
   Às vezes, uma verruga poderá crescer na sola do pé de uma pessoa, tornando o andar penoso para ela. Quando crescem ali, são geralmente chamadas verrugas plantares. Podem, com efeito, crescer em quase toda parte da pele, mas, com maior freqüência, aparecem nas mãos, nos dedos e nas solas dos pés. Visto que há várias espécies de verrugas, variam de cor, algumas sendo brancas, outras variando do amarelo para o marrom e ainda outras sendo pretas ou verdes.
   As verrugas são causadas por um vírus que pode ser transmitido de uma pessoa para outra. Na realidade, o vírus já foi mantido numa cultura tecidual e fotografado por um microscópio eletrônico.
   Quando as verrugas desaparecem espontaneamente, pensa-se que a pessoa criou um estado de relativa imunidade a elas. Surpreendente, porém, é que às vezes, somem por meio do que parece ter sido simples sugestão. Isto se dá, em especial, com as crianças pequenas. O médico pode pincelar uma verruga com simples água de torneira ou tocá-la com algum objeto estrambólico, garantindo à criança que isto fará a verruga desaparecer, e ela mui amiúde desaparece mesmo no espaço de uma a oito semanas.
   Um nutricionista mencionou a vitamina A como sendo eficaz em se livrar de verrugas. Adelle Davis, em seu livro Let’s Get Well (Vamos Ficar Bons), declara que verificou diversos casos em que as verrugas desapareceram dentro de poucas semanas depois que se tomaram diariamente 100.000 unidades de vitamina A e 300 unidades de vitamina E. Depois de quatro semanas, reduziu-se a vitamina A para 50.000 unidades diárias.
   Às vezes, usa-se a cirurgia para remover uma verruga, mas esse tratamento deixa cicatriz, e quando é na sola do pé, pode causar uma sensibilidade tão incomodativa quanto era a verruga. Cauterizar uma verruga com bisturi elétrico pode ser eficaz se o tratamento for radical.
   No presente, nenhuma forma de tratamento é inteiramente satisfatório para cada caso de verrugas. Um pode ser excelente para uma pessoa, mas não para outra. Mas, já que há maneiras de se livrar das verrugas, a pessoa não precisa achar que terá de passar a vida inteira com feias verrugas que lhe desfiguram as mãos.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 22 de abril de 1970 pp. 30-31

* Imagens: Google
((•)) Ouça este artigo

Advertência Quanto aos Substitutos do Açúcar

   Ao passo que não se tem notado nenhum claro efeito prejudicial dos adoçantes artificiais no homem, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos publicou em 13 de dezembro de 1968 um relatório científico advertindo contra o uso totalmente irrestrito dos adoçantes artificiais. O uso total de sacarina e ciclamato, ambos usados para adoçar as coisas, aumentou substancialmente nos últimos cinco anos. Descobriu-se que certas pessoas que usavam ciclamatos converteram certa quantidade deles, em seu corpo, em outro composto chamado cyclohexylamina. Em certos animais, os estudos sugeriram que a cyclohexylamina pode ter efeitos adversos nos cromossomos.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 8 de abril de 1970 p. 31

* Imagem: Google

((•)) Ouça este artigo

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Mata-mosquitos

   Os peixes são os principais inimigos dos mosquitos, que, em muitas localidades, transmitem terríveis doenças, como a dengue, a malária e a febre amarela. Os peixes destroem os mosquitos por comerem suas larvas.

Texto baseado na Revista Despertai! de 8 de abril de 1970 p. 29

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Coluna de força

   Quando uma pessoa de uns 54 quilos anda despreocupadamente, alguns pontos do fêmur, ou osso tubular da coxa, tem de suportar uma pressão de 186 libras (cerca de 86 kg) por centímetro quadrado. No caso de um saltador de vara, ao cair ao chão, os ossos da coxa bem que podem suportar mais de 3.100 libras cerca de 1406 kg) de pressão por centímetro quadrado.

Texto baseado na Revista Despertai! de 22 de março de 1970  p. 11

*Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Um dia em carnivolópolis

((•)) Ouça este artigo

domingo, 16 de outubro de 2011

Pestanejar

O processo de fechar nossas pestanas e abri-las é o pestanejar. Que propósito útil tem isto? Protege os olhos do dano, limpa a superfície dos olhos; ajuda a regular a quantidade de luz que atinge os olhos; e mantém o fluido em frente dos olhos. Com que freqüência pestanejamos? A maioria das pessoas pestanejam na média de cerca de vinte e cinco vezes por minuto.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 8 de maio de 1970 p. 8

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

sábado, 15 de outubro de 2011

Alcoolismo Entre as Crianças

   O jornal do comércio húngaro, Magyar Hirlap, declarou que a nação vinha encarando crescente problema de alcoolismo entre suas crianças. No último ano e meio, segundo noticiado, mais de 4.300 crianças foram atendidas em prontos socorros através do país devido à intoxicação atribuída diretamente a excesso de bebidas alcoólicas.

Fontes: 

* Texto: Revista Despertai! de 22 de março de 1970 pp. 30-31

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

O Desenvolvimento da Criança

   As crianças refletem seu meio ambiente. Uma criança criada numa família sóbria, estudiosa, cortês e temente a Deus irá, em 99 vezes dentre cem, crescer e se tornar um adulto sóbrio, estudioso, cortês e temente a Deus; assim escreveu o Dr. Max Rafferty, Diretor da Educação e Superintendente da Instrução Pública da Califórnia, EUA. Eis por que ele diz que “a maioria das delinqüências juvenis remontam à mamãe e ao papai, de uma forma ou de outra”. O Dr. Rafferty alista vários pontos em que os pais na maioria das vezes falham: Não sabem onde andam seus filhos. Falam em disciplina mas não a executam. Demasiados pais dão mau exemplo. Deixam de dar aos filhos as antigas regras de moral, modéstia e simples decência. E falham em fazê-los ganhar com trabalho o dinheiro que recebem.

Fontes: 

* Texto: Revista Despertai! de 22 de março de 1970 p. 30

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Evitar acidentes com crianças

   O que podem fazer os pais a fim de proteger suas crianças, e, ao mesmo tempo, treiná-las a proteger-se?

Proteção nos Carros
   Embora se calcule que o uso de cintos de segurança salve mais de 5.000 vidas anualmente, muitos deixam de usá-los. Você deixa de usá-los para si mesmo e seus filhos em viagens curtas? Calcula-se que a maioria dos acidentes ocorra num raio de dezesseis quilômetros de casa. Assim, aqueles que esperam até que façam uma viagem longa para usarem os cintos de segurança talvez nunca tenham tal oportunidade.
   Em grande medida, a segurança dos filhos dependerá do motorista. É extra-cauteloso à noite, em mau tempo e durante as horas altamente perigosas do anoitecer? Faz questão de jamais guiar quando está cansado demais, sonolento, transtornado emocionalmente ou depois de tomar bebidas alcoólicas ou drogas?
   Também, obedece a todas as regras de trânsito? Isto é importante, não só para a segurança de seus filhos, mas também porque eles o observam, bem como ao cenário. Se o virem repetidas vezes desrespeitar os sinais para parar, correr demais, seguir outros carros perto demais, ou fechar outros motoristas, isso poderia lançar o alicerce para seus próprios hábitos ruins de dirigir no futuro. As crianças ficam profundamente impressionadas pelo exemplo paternal, e imitam o que vêem.

Proteção na Rua

   Com freqüência as crianças são atropeladas por veículos por atravessarem as ruas com o sinal vermelho ou por deixarem de ver onde é que vão. Por volta do tempo em que a criança tem cinco anos, pode-se-lhe ensinar a observar as leis de trânsito. Deveria aprender a atravessar as ruas corretamente: Atravesse-as só na área designada para tal; cruze-as apenas com a luz verde, jamais com a vermelha; e olhe para ambos os lados antes de atravessá-las, até mesmo quando a luz estiver verde, visto que alguns motoristas talvez desrespeitem o sinal de parar. Estas coisas devem ser leis em seu treinamento.
   Depois de repetir tais regras vez após vez, poderá testar o entendimento dela. Talvez deseje fazer disso uma brincadeira. Leve o seu filho pela mão, e talvez diga: “Agora, Joãozinho, serei seu filho e você será meu Papai. Você vai atravessar a rua comigo e farei exatamente o que você fizer.” Isto deveria encorajar o seu senso de responsabilidade e, ao mesmo tempo, deveria ajudá-lo a determinar quão bem segue suas instruções.
   As crianças também precisam aprender os perigos envolvidos em correr pelo meio de carros parados atrás de bolas ou de outros brinquedos. Devem ser proibidas de brincar nas ruas não reservadas para esse fim. Incentive-as a brincar nos passeios, longe do trânsito, e, preferivelmente, em campos de esportes ou áreas destinadas a tal fim.

Segurança em Bicicletas

   Algumas crianças talvez observem as outras leis de trânsito, mas se tornem descuidadas quando têm uma bicicleta nas mãos. Quando o garoto já tiver idade suficiente para possuir uma bicicleta, deve aprender que andar nela traz responsabilidades. Não se lhe deve permitir andar nela no meio do trânsito senão quando tiver adquirido bom equilíbrio de si, e souber guiá-la, pedalar e frear, e, então, somente quando aprender a obedecer aos sinais de trânsito.
   Inculque nele os perigos envolvidos em andar ziguezagueando no meio do trânsito, de rodar com os pés fora dos pedais, e pegar caronas de ônibus, caminhões e carros por ficar segurando neles. Quando for apanhado em tais ações, o leitor talvez deseje retirar sua permissão de ele andar de bicicleta até que mostre sua disposição de andar nela com responsabilidade.

Segurança na Água

   Deve-se ensinar às crianças a respeitar a água, e quanto mais cedo melhor. Será que seus filhos sabem nadar? A maioria das crianças deveriam aprender a nadar para sua própria proteção. Podem aprender isto, como se deu com muitas crianças, até mesmo antes de entrarem para a escola. E, ademais, trata-se dum esporte saudável.
   Mas, até mesmo quando a criança aprende a nadar bem, deveria aprender a jamais nadar sozinho numa piscina, num lago ou em outra massa de água ou quando ameaça vir uma tempestade. Quando estiver na praia, as crianças só devem nadar onde houver salva-vidas por perto.
  Uma forma de os pais poderem contribuir para a segurança de seus filhos é por não os deixarem confiar inteiramente em brinquedos inflados ou em outros plásticos para sustentá-los na água, em especial se não souberem nadar. Não se lhes deve permitir usá-los em água funda. Divertem muito as crianças, mas, qualquer instrumento feito pelo homem pode falhar. Portanto, é necessário precaução quando a criança estiver dentro d’água ou perto dela.

A Parte da Disciplina na Proteção
   
   Quando as crianças atingirem a idade escolar, deveriam ser avisadas de não acompanharem outras crianças que sabem ser desordeiras. Os meninos, mais do que as meninas, têm de evitar a tendência para o comportamento ousado quando instigados por outros. Muitos são os garotos que agiriam com sensatez quando sozinhos, mas, quando desafiados por colegas, lançam a precaução ao vento. Ensine-lhes a avaliar que, quando outros os instigam a práticas inseguras, são eles mesmos que talvez fiquem feridos, e não os instigadores. Isto exige boa disciplina.
   Quando a disciplina necessária surge como parte do processo de aprendizagem e é administrada de forma firme embora amorosa, resulta ser poderosa força nas vidas das crianças. Elas acolhem bem a firmeza e os limites ao seu comportamento, em especial quando está envolvida a segurança delas. É firme quando isto é necessário? É positivo no que diz, mesmo na primeira vez em que fala? Quando diz a uma criança que faça algo, ou não faça algo, é preciso que suas palavras sejam acompanhadas de ações, se ela há de entender que realmente lhe quer dizer isso. Daí, suas palavras governarão realmente as ações dela.
   Há vezes, contudo, em que até mesmo crianças dóceis se tornam rebeldes. Talvez não lhe obedeçam, até mesmo quando a segurança delas está envolvida. Assim, o castigo é apropriado. Quando é ministrado, não deve ser num acesso de ira, mas de forma calma e razoável. A criança deve saber por que está sendo castigada. A forma de castigo poderá variar conforme a criança. Para algumas, apenas reter a afeição ou certo privilégio por algum tempo traz resultados. Para muitas, isolá-las é eficaz, visto que a maioria das crianças não desejam ficar de fora das atividades familiares ou longe de seus colegas. Para outras, a dor física, uma surra, é a linguagem que entendem melhor. Mas, seja qual for o método empregado, o castigo deve ser coerente e apoiado por ambos os genitores.
   Uma das melhores formas de se evitar os acidentes é a de os próprios pais serem disciplinados em questões de segurança. Muitos acidentes resultam de condições que existem no próprio lar, condições pelas quais os pais são responsáveis. Assim, os pais devem ser cônscios da segurança, aceitando isto como uma obrigação.
   A fim de demonstrar a necessidade de os pais tomarem a liderança em descobrir situações perigosas no lar, façamos um passeio imaginário. Estaremos interessados apenas em quão seguro é o lar do ponto de vista das crianças que vivem ali, e o que pode ser feito para se evitar acidentes.

Segurança Fora da Casa
   
   Antes de entrarmos, porém, examinemos o lado de fora. Notamos alguns papéis, garrafas de refrigerantes e outro lixo em frente da casa. Sem se considerar quem o deixou ali, cria um perigo. A criança que vem correndo da escola para casa ou que corre para fora de casa para brincar pode tropeçar nestas coisas e ferir-se. Assim, a área em volta de casa deve ser limpa de qualquer lixo.
   Antes de continuarmos dando a volta à casa, paremos na garagem por alguns minutos. Algumas são garagens apenas no nome. A garagem é realmente um depósito de vários itens além do próprio carro. O que dizer de sua garagem? Será que o piso é seguro de se andar? Ou está cheio de tachinhas, ferramentas abandonadas, parafusos, macacos e outras coisas semelhantes? Estas representam um perigo para as crianças, que talvez tropecem nelas ou se cortem com elas. E alguns de tais itens talvez acabem na boca das crianças que engatinham! Todos eles devem ser trancados seguramente num armário de ferramentas, ou jogados fora.
   Ao andarmos em volta da casa, em direção à parte de trás, vemos um balanço. Sem dúvida as crianças passam muitas horas felizes ali. Mas, quão amiúde é inspecionado? Determina se o equipamento em que brincam é seguro, antes de permitir que o usem?
   Retornando à parte da frente da casa, notamos um garotinho brincando na entrada para veículos. Verifica sempre sua entrada de carro para certificar-se de que esteja desimpedida antes de dar a partida em seu carro? Muitas crianças são feridas e algumas até mesmo mortas por não se fazer isso.

Segurança Interior
   
   Agora, entremos na casa. Notamos a escada que leva ao segundo andar. Há luz adequada aqui e tudo parece ser seguro. Há uma grade no alto das escadas para impedir que a criança que engatinha role escada abaixo. Notamos que os degraus são firmes e seguros. O corrimão é firme e o tapete se acha em boas condições. Incidentalmente, olharemos em cada quarto para ver se os tapetes, se houver algum, estão pregados ou não escorregam.
   Visto que tantos acidentes ocorrem na cozinha, vamos até lá antes de subirmos as escadas. Será que a dona de casa se assegura de que, enquanto cozinha, os cabos das panelas fiquem virados para a parede, a fim de impedir que as crianças menores as alcancem e derramem coisas quentes sobre si mesmas? E será que ela se certifica de que, depois de usar vários utensílios de cozinha, tais como facas, amoladores, cortadeiras e outros instrumentos perigosos, estes são colocados fora do alcance das criancinhas? Quando não estão em uso, tais itens deveriam ser guardados em lugar seguro.
   O que dizer de sua sala de estar? Estão suas lâmpadas seguramente presas e os fios esticados? Estão os assoalhos encerados demais e são escorregadiços? Certifica-se de que todas as tomadas elétricas sejam recobertas de tampas de plástico quando não estão em uso, de forma que as crianças não possam enfiar objetos nelas?
   Agora que examinamos alguns dos itens aqui em baixo, vejamos o que há lá em cima. Ao entrarmos no quarto de dormir, logo notamos algo. Um saco de plástico ficou sobre uma cadeira. Por que é isto perigoso?        Um jovem talvez, brincando, meta a cabeça no saco e daí não consiga tirá-la, talvez ficando sem ar. Mas, também notamos boas coisas. Por exemplo, a janela se abre na parte de cima, ao invés de na de baixo, visto que não há grades na janela. Isto impede que as crianças caiam lá embaixo.
   O banheiro vem a seguir em nossa lista. Aqui notamos que há um tapete de borracha que impede que se escorregue na banheira e a caixa de remédios está trancada, o que é ótimo. Mas, vejam só — há uma lâmina de barbear na cesta de lixo, prontinha para uma criança brincar com ela! Talvez o pai a jogasse fora depois de barbear-se. A lâmina não deveria ficar ao alcance fácil de crianças que talvez não saibam quão perigosa é.
   Poderíamos continuar nossa visita e, sem dúvida, ainda descobrir outras condições perigosas, pois se acham à espreita em cada casa. E, falando-se de visitar a casa para ver sua segurança, por que não fazer exatamente isso? Por que não reserva tempo para verificar a inteira casa quanto a condições perigosas? Poderia até mesmo fazer disso uma brincadeira junto com as crianças, vendo-se quem encontra perigos que precisam ser corrigidos.
   As famílias que praticam a prevenção de acidentes terão menos tragédias em suas vidas. Conforme se disse há muito: “Uma grama de prevenção vale um quilo de cura.” Quão veraz é isso quando a vida duma criança se acha envolvida!

Texto baseado na Revista Despertai! de 22 de março de 1970, pp. 16-20

* Imagens: Google

   Veja também: Como proteger as criancinhas de acidentes.



((•)) Ouça este artigo

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Batidas do coração

   Quando a pessoa atinge a idade de setenta anos, seu coração já terá batido cerca de 2.500.000.000 de vezes.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 22 de março de 1970 p. 15

*Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Bombeando os oceanos

Há uma tremenda bomba d’água que ergue diariamente enormes quantidades de água dos oceanos. Se os oceanos não fossem enchidos de novo, num ano o nível deles diminuiria em cerca de 1 metro. A “bomba” é o sol, que anualmente evapora ou bombeia dos oceanos mais de 83.700 milhas cúbicas de água.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de março p. 11

*Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Quente ou frio?

São os seus verões “quentes demais”, ou seus invernos “frios demais”? Calcula-se que a temperatura da superfície do planeta Plutão seja de —229° C. (229 graus abaixo de zero). E, ao passo que se questiona a exata temperatura da superfície de Mercúrio, talvez seja tão quente quanto 426,6° C. Fique contente de viver no lugar em que vive.


Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de março p. 11


*Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

A substância mais dura

   O diamante é a substância natural mais dura conhecida pelo homem. A maioria dos diamantes — cerca de 80 por cento — não são adequados para serem usados em jóias, mas são usados em peças industriais para cortar, esmerilhar e perfurar.



Fontes:

* Texto: Revista Despertai de 22 de março p. 9


*Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Leopardos e naja - a integração

video
((•)) Ouça este artigo

Quando há crime em sua vizinhança

   SENTE-SE seguro de andar pelas ruas de sua vizinhança à noite? Não há muitas vizinhanças hoje em dia em que a pessoa diga que se sente. Quer more numa cidade grande, quer nos subúrbios residenciais quer numa cidade pequena, os índices crescentes de crime lhe dão razão para sentir-se apreensivo. O que pode fazer para evitar ser assaltado quando há crime em sua vizinhança?

   Fique Alerta

   Se estivesse andando no meio da selva, certamente ficaria alerta ao perigo dos animais selvagens. Se tiver crime em sua vizinhança, precisa mostrar-se igualmente alerta. Um criminoso talvez fique à espreita na rua, ou num prédio, esperando pular sobre o leitor, e pode ser tão ruim quanto qualquer animal selvagem.
   Não se perca em pensamentos ao andar pela rua. Mantenha os olhos em observação no que está adiante na rua, e, ocasionalmente, olhe para trás. Os atacantes pelas costas ficam observando as pessoas incautas e pulam sobre suas costas. Talvez fiquem parados nas ombreiras duma porta ou ociosos na rua. Quando provável vítima passa por perto, vêm por trás dela e lhe aplicam uma chave de pescoço. Às vezes, um bando de delinquentes juvenis passam correndo por uma senhora incauta, derrubam-na e saem correndo com a bolsa dela. Como animais, tais criminosos escolhem os fracos e idosos, ou uma pessoa que esteja só.
   Assim, para evitar tornar-se vítima, precisa ficar alerta quanto a pessoas de aparência suspeita que ficam ociosas na rua adiante. Não se arrisque a passar no meio delas. Atravesse para o outro lado da rua ou dê meia volta e siga por outra rua. Jamais hesite em mudar de direção, se nem tudo parecer bem em sua frente.          
   Ande bem distante dos prédios em que uma pessoa talvez esteja à espreita, numa entrada escura ou num beco, esperando puxar para dentro a pessoa incauta. Tente evitar andar pelas ruas desertas de outros pedestres.
   Ao entrar num prédio com saguão, olhe em volta do saguão primeiro, antes de entrar. Se uma pessoa de aparência suspeita estiver ali sem fazer nada, não entre sozinho. Se tudo lhe parecer bem, tome o elevador para o andar desejado, mas, se alguém parar o elevador em outro andar e entrar nele, e achar ruim ficar no elevador junto com tal pessoa, poderá sair dele imediatamente, antes que a porta se feche. Tome outro elevador, ou use as escadas. Muitas pessoas têm sido roubadas e assassinadas em elevadores.


Usar o Carro

   É muito mais seguro andar de automóvel à noite em ruas assoladas de crimes do que andar a pé. Mas, neste caso, também, precisará exercer bom senso e usar precaução. Assegure-se de que as portas estejam todas trancadas. Se não estiverem, um criminoso pode facilmente abrir uma porta quando parar num sinal, e entrar no carro para assaltá-lo. Se alguém agir de forma ameaçadora, dê partida imediata no carro.
   A motorista usará bom senso quando colocar sua bolsa no compartimento de luvas ou no chão, ao invés de deixá-la em plena vista no banco do carro.

Quando For Vítima

   O que fazer se o criminoso o assaltar na rua e exigir seu dinheiro? Deve resistir? Que chance terá contra um bandido que está armado dum canivete ou revólver? Poderá sempre ganhar mais dinheiro, mas, se ele resolver baleá-lo ou esfaqueá-lo, o custo lhe será muito maior do que o dinheiro em sua carteira.
   Uma boa defesa para a mulher são seus gritos. O criminoso, provavelmente não continuará por perto nem a ferirá enquanto ela fizer bastante barulho. Se tentar obrigá-la a acompanhá-lo a um beco escuro, ela deve rolar pelo chão e gritar. Seria muito tolo correr atrás dum ladrão na rua que foge com seus pertences. Talvez se volte e o mate. O bom senso dita que deveria chamar logo a polícia, e sentir-se grato de não sofrer nenhum dano físico.

Texto baseado na Revista Despertai! de 22 de março de 1970 pp. 3-4

*Imagens: Google

((•)) Ouça este artigo

Como é que sabiam?

As enguias de água doce que vivem nos rios da Europa e da América do Norte são peixes serpentiformes que chegam a crescer até uns noventa centímetros ou mais. Seu local de procriação, contudo, acha-se em torno das Ilhas Bermudas, no Oceano Atlântico. As enguias adultas nadam até lá de seus rios de água doce e depositam ali seus ovos. Depois de desovarem, as enguias genitoras morrem. Com um ano de idade, as jovens enguias estadunidenses nadam de volta para os rios de onde vieram seus genitores, as enguias européias fazem isso depois de dois anos. Mas, como é que os filhotes sabem de onde vieram seus genitores? Obviamente, não poderiam ter aprendido isto pôr experiência, visto que seus pais não fazem tal viagem junto com elas. Este conhecimento foi implantado nelas como instinto por parte do Criador Todo-sábio, Jeová Deus.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 8 de março de 1970 p. 25

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Área terrestre

A área terrestre da Terra é calculada como sendo de 150.000.000 de quilômetros quadrados. Todavia, isso é apenas 29,4 por cento da superfície total da terra. A água predomina.

Fontes:
* Texto: Revista Despertai! de 8 de março de 1970 p. 25
* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo
Lembre-se: sua casa deve ser um lugar de repouso, não um mostruário de produtos.  ((•)) Ouça este artigo

Essas incomodativas cracas

   HÁ UMA criaturinha que só mede cerca de um centímetro de diâmetro ao nadar como larva, mas que custa aos proprietários de navios e de embarcações centenas de milhões de cruzeiros cada ano. Este é o triste histórico da humilde craca.
   Num período de seis a oito meses, estas criaturinhas podem aumentar o peso dum navio em mais de cem toneladas e fazer com que gaste 50 por cento mais combustível. Como fazem isso?
   A larva da craca nada pelo oceano até que atinge a idade adulta, ocasião em que procura uma superfície firme à qual aderir. Quando encontra o casco dum navio, uma rocha, uma estaca dum cais, uma tartaruga ou até mesmo uma baleia, aderirá a essa superfície por meio duma substância aglutinante que fixa a craca permanentemente no lugar. Passa então por uma metamorfose, atingindo a idade adulta e forma uma concha dura que também fica seguramente fixa.
   A concha é semelhante a uma caixinha com tampa que pode ser fechada para sua proteção. Quando se abre, a craca estende apêndices que nem penas com os quais traga diminutas criaturas marinhas qual alimento. Se acontecer estar sobre uma rocha que fique exposta quando a maré baixa, fechará a tampa de sua caixa e esperará a subida de novo da maré.
   Um zoólogo britânico calculou que as cracas da Ilha de Man produzem 1.000.000.000.000 de filhotes todo ano para cada oitocentos metros de litoral. Mas, nem todos continuam vivos de modo a se tornarem cracas maduras. Apenas cerca de 1 a 10 por cento dos ovos lançados na água e que dão larvas conseguem produzir cracas adultas.
   O que as torna tão amolantes para o navio é que se fixam no casco em uma massa continuamente crescente, à medida que novas cracas se fixam em cima das mais antigas. No espaço de seis a oito meses, um navio pode ficar com uma camada delas que tenha de cinco a sete e meio centímetros de espessura. Porque impedem que a água deslize suavemente pelo casco da embarcação, é preciso mais energia para mover o navio, e isso significa maior consumo de combustível. Um navio grande já consome enormes quantidades de combustível numa operação normal, mas as cracas podem aumentar grandemente seus custos operacionais.
   Uma vez se tenham fixado no casco de um navio, não é muito simples arrancá-las de lá. Em alguns casos, acham-se tão firmemente apegadas que será necessário usar um martelo de perfuração. Visto que não se pode fazer isto com o navio na água, tem de ser colocado em dique seco. Depois de se raspar por completo o seu casco, tem de ser repintado.
   A única forma conhecida de se proteger os navios das cracas é usar cobre nos cascos. É altamente venenoso para elas. Por recobrir o casco de madeira de uma embarcação com cobre, obtém-se proteção permanente das cracas, mas, isto não é possível com embarcações feitas de ferro. A reação química do cobre e do ferro faz com que se desgaste o casco. Assim, usa-se um método menos eficaz.
   Por se pintar o casco com tinta que contém óxido de cobre, obtém-se certa medida de proteção. Mantém as cracas longe do navio por cerca de dois anos, mas, por volta desse tempo, o cobre já terá desaparecido da tinta e os pequenos crustáceos começarão de novo a se fixar no casco. A proteção contínua exige que se pinte o casco de novo em intervalos regulares.
   Assim, uma criaturinha que só tem cerca de um centímetro de diâmetro quando nada como larva, pode se tornar custoso problema para os proprietários de navios e embarcações. Talvez, da pesquisa que agora se faz para se encontrar melhores meios de proteger os navios de sua tenaz aderência, descubra-se o segredo de seu cimento adesivo. Isso poderia significar um novo cimento superforte para uso do homem. Se assim for, a craca poderá compensar o homem em um pequeno sentido por ser tal incomodativo clandestino.

Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 22 de fevereiro de 1970 p. 23

*Imagem: Google

((•)) Ouça este artigo
Você está agitado; está com pressa? Apenas não atrapalhe a tranquilidade dos outros. ((•)) Ouça este artigo

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Conheça Bem os Detergentes Que Usa


Algumas pessoas morreram e outras ficaram doentes por causa do gás liberado da mistura de detergentes. As donas de casa pensam que por misturarem os detergentes poderiam obter melhores resultados. O que acontece e que quando o amplamente usado detergente de cloro para fins domésticos se combina com um ácido ou um agente que produz ácido tais como o saponáceo ou o vinagre, há súbita liberação de gás de cloro. Se o gás for inalado, pode causar sérios danos e possivelmente a morte. Use os detergentes químicos somente dá maneira especificada pelo fabricante no rótulo.



Fontes:

* Texto: Revista Despertai! de 8 de fevereiro de 1970 pp. 30-31

* Imagem: Google
((•)) Ouça este artigo

Chupeta - bandida ou mocinha?

Atualmente , a chupeta é uma peça que faz parte do enxoval de quase todo bebê. As diferentes maras, formas, cores e desenhos têm despertado uma atração irresistível para a maioria das mamães, que ao mesmo tempo se confundem na hora da escolha. Criticada por uns e indicada por outros, seria a chupeta uma verdadeira vilã ou uma simples mocinha?



  A resposta para essa pergunta dependerá de qual é a sua frequência, intensidade e duração de uso. Se for usada frequentemente e/ ou por um período prolongado, se tornará um hábito, podendo atrapalhar a amamentação materna, prejudicar os dentes, desviar os maxilares e alterações na deglutição e na fonação. Mas se usada corretamente isso não acontece.
   O bebê de 0 à 6 meses, deverá respirar bem, sugar e deglutir. A sucção é um impulso natural, e ajuda o bebê a se preparar para a mastigação.
   Alguns bebês sugam mais que outros, e talvez seja necessário o uso da chupeta, mas de forma racional. Não deve ser oferecida a qualquer sinal de desconforto, para acalmar o choro, ou como lazer. Não se recomenda que o bebê durma o tempo todo com a chupeta, devido a necessidade de manter a boca fechada, enquanto dorme, para acostumar-se a encostar os lábios ao dormir, respirando corretamente pelo nariz.
   É melhor que a chupeta seja o mais anatômica e funcional possível, seja compatível com o tamanho da boca e a idade do bebê. A direção do longo eixo do bico deve ser inclinada para cima em relação ao apoio labial (como mostra a figura ao lado). A chupeta deve ser sempre inspecionada para garantir a segurança do bebê, verificar por exemplo se o bico está inchado, rasgado ou pegajoso, e caso esteja, trocar a chupeta.
  É importante que os profissionais de saúde bucal, orientam os pais nesse sentido e que eles usem a chupeta, unicamente para satisfazer a sucção, obtendo com isso, apenas os seus efeitos desejáveis. ((•)) Ouça este artigo

Poluição do Ar

O automóvel e as chaminés que descarregam fumaça não são as únicas causas da poluição de ar. Diz a revista Prevention de janeiro: “Os cigarros têm uma concentração mais elevada de monóxido de carbono e bióxido de nitrogênio do que o escapamento dos carros. O cigarro tem um agente tóxico adicional, o cianureto de hidrogênio. Todos esses elementos químicos numa sala mal ventilada contribuem para a poluição do ar que outros têm de respirar.”

((•)) Ouça este artigo
Elogie algum detalhe de alguém em casa ou no trabalho. 
((•)) Ouça este artigo

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Alumínio — da curiosidade à versatilidade

   EM 1821, perto da comunidade francesa de Les Baux, um químico apanhou um mineral duro, semelhante à argila, de coloração avermelhada. Chamado de bauxita por causa do povoado, resultou apresentar uma porcentagem de 52 por cento de alumina. Mas, talvez pergunte, o que é alumina? É o alumínio combinado com o oxigênio, ou óxido de alumínio. Durante anos, esta substância duríssima resistiu a todos os empenhos de reduzi-la a seus componentes. Não foi senão em 1827 que as primeiras gotículas do metal foram extraídas por um processo químico dificílimo e custoso. Não é de se admirar, então, que há cem anos atrás o alumínio fosse mera curiosidade, muito embora seja o terceiro elemento mais abundante da crosta terrestre. Era muito caro, mas com o passar do tempo e com o esforço de cientistas, encontraram-se formas mais econômicas de obtê-lo.


A Matéria Prima

   Embora a bauxita seja a matéria básica da produção de alumínio, todavia, também são necessários outros minerais e substâncias. Mas, primeiro, observaremos como a bauxita é reduzida a alumina pura. As operações de mineração a céu aberto, usando-se enormes escavadeiras elétricas retiram o minério de seu leito de milhares de anos. Duas toneladas de minério são necessárias para se extrair uma tonelada de alumina.
Assim, o minério passa por um processo de redução intermediário antes de ir para a fundição. A bauxita é tratada com uma solução quente de soda cáustica, resultante da combinação de carbonato de sódio e cal. Isto faz que a alumina se transforme em solução, ao passo que as impurezas tais como a sílica, o óxido de ferro e o óxido de titânio se depositam como lama avermelhada. O líquido filtrado então se assenta em grandes tanques de precipitação onde a alumina, quimicamente combinada com a água, se cristaliza. Tais cristais são enviados através de grandes cubas rotativas, aquecidas a 1.100° C. para afastar todas as moléculas de água, deixando a branca alumina pulverulenta pronta para despacho. Das cubas de estocagem ou longas pilhas sobre o solo, correias de transporte movem a alumina para os porões de navios que a aguardam para transporte para as fundições.
   Nas fundições, a alumina é combinada com outra matéria prima — a criolita. Este mineral, de cor branco-azulada, cujo pó é praticamente invisível na água, é minerado na Groenlândia, onde os esquimós se referem a ele como “o gelo que não se derrete no verão”. Também é produzido sinteticamente na Alemanha. Cientistas descobriram ser isso, a chave para abrir o vasto manancial terrestre deste metal. Estabeleceram que a criolita fundida dissolveria o duro óxido de alumínio e, então, por atravessar pela solução fundida poderosa corrente elétrica, o alumínio se separaria do oxigênio, permitindo que o metal puro se assentasse no fundo do vaso. Assim, nasceram “cubas” eletrolíticas para a produção de alumínio.
   Para a produção em larga escala de alumínio fundido, muitas “cubas” são necessárias, sendo colocadas em “filas de cubas”. Nas fundições da Companhia de Alumínio do Canadá, algumas são feitas de aço de uma polegada, com cerca de nove metros de comprimento, três e sessenta de largura e um e vinte de fundo. Acham-se revestidas de carvão que se torna o cátodo (pólo negativo) da célula, ao passo que o cátodo (pólo positivo) é uma mistura de coque de petróleo e piche. Este composto, colocado em receptáculos retangulares de alumínio ou de aço, é pendurado acima da “cuba”. O equipamento de controle abaixa progressivamente este tipo contínuo de anódio substituível na “cuba”, à medida que se funde a si mesmo e é usado na solução fundida de alumina e criolita. É interessante que este material é devorado na proporção de mil libras para cada tonelada de metal produzido.
   A fluorita da Terra Nova é outro importante ingrediente, bem como outros materiais ao redor do globo. As matérias primas adicionadas para a produção de uma tonelada de alumina pura atingem sete toneladas. Assim, a produção ininterrupta exige um arranjo bem organizado de transporte para se assegurar que todo o material necessário esteja disponível no tempo exato e no local exato. Por exemplo, materiais que encheriam 250 vagões são consumidos cada vinte e quatro horas pelas caldeiras no Vale Saguenay de Quebeque.



O Papel da Eletricidade


   Tenha em mente que a bauxita é usualmente minerada em terras pouco elevadas da zona tropical ou semitropical. Por conseguinte, a matéria prima mais importante necessária — a abundância de energia elétrica barata — raramente se encontra próxima do depósito do minério. Em resultado disso, a alumina tem de ser transportada para o local da energia. Isto é o que tornou o Canadá, com seus abundantes suprimentos de barata energia elétrica, um local natural para algumas das maiores fundições de alumínio do mundo.
   Se mantiver acesa uma lâmpada comum de 25 watts durante duas semanas, a eletricidade usada equivaleria à quantidade exigida para a produção de uma libra ou quase meio quilo de alumínio.

Fabricação

   O produto final é leve, resistente a corrosão e maleável, sendo muito usado em diversas áreas da indústria. A natureza proteica do metal é ainda mais destacada por sua agradável aparência e por ser eficiente condutor tanto de calor como de eletricidade. Assim, venha agora e observe como esta substância interessante se transforma em alguns dos aparelhos úteis que se tornaram comuns em nosso mundo moderno.
   Pode se tornar a superestrutura de um transatlântico ou a “pele” de um jato intercontinental. Como rolo, talvez o esteja usando em sua cozinha para inúmeros fins, ou o retire de sua barra de chocolate favorito. Mas, isso não é tudo.

   Talvez resida em Londres, Inglaterra, e viaje diariamente pelo “subterrâneo”. Seu confortável trem é feito de alumínio. Ou, uma viagem recente pela Espanha foi feita no famoso “ACT-Talgo”, das Ferrovias Espanholas. Ligas de alumínio contribuíram para sua agradável viagem. Na América do Norte, as ferrovias usam cada vez mais esse metal que certa vez era apenas curiosidade. Vagões frigoríficos, gôndolas, vagões de carga ou vagões-tanques, todos feitos de alumínio, alinham-se em trens de mais de um quilômetro e meio de extensão. Nas rodovias do mundo, o metal é usado em caminhões, ônibus, carros-reboques e até mesmo em seu próprio automóvel. Muitos dos ascendentes arranha-céus das grandes cidades do mundo têm o frontispício recoberto, ou contém painéis de folhas de porcelana esmaltada ou reluzentes de ligas de alumínio.
   Do Equador aos pólos e por toda a terra, encontram-se cada vez mais utilizações deste metal campeão do peso leve. Mais de dois quilos e oitocentas gramas de alumínio encimam o famoso Monumento a Washington, fornecendo-lhe não só bonita cobertura prateada, mas também protetor condutor de eletricidade. Sistemas portáteis de irrigação, feitos de alumínio, são usados nas plantações de café no Brasil e nas fazendas de açúcar de beterraba na parte meridional de Alberta. Mais de onze milhões de quilômetros de linhas de transmissão cruzam os países do mundo, transportando a vital energia elétrica para as cidades e as fábricas, por meio de condutores de alumínio reforçados com aço. Em muitos casos, estes são pendurados agora em torres de alumínio. Até mesmo casas de oito cômodos, com duas varandas, tendo um peso total de apenas pouco mais de mil quilos, estão sendo pré-fabricadas à base deste metal de muitas utilizações.
   Seria possível prosseguir interminavelmente, descrevendo os produtos de milhares de fábricas que produzem tudo, desde grampos de cabelo a cadeiras de estar, e de barris de cerveja a instrumentos portáteis do carpinteiro e do mecânico! Sim, o alumínio não mais e uma curiosidade, mas é um dos mais versáteis metais conhecidos pelo homem, razão de este ser grato ao Grandioso Criador, que primeiro o depositou na crosta da terra.


Texto baseado na Revista Despertai! de 8 de fevereiro pp. 18-21

Imagens: Google




((•)) Ouça este artigo

Como proteger as criancinhas de acidentes

   Os acidentes não ocorrem por acaso. Cada um é provocado por algo. Podem ocorrer em qualquer parte e a qualquer hora. Quando alguém foi descuidado, pode acontecer um acidente. A questão é: O que pode ser feito para evitar a maioria deles?
   É bom saber que muitos acidentes com crianças ocorrem entre as 16 e 20 horas durante a semana. Nos fins-de-semana, as primeiras horas da manhã são perigosos períodos. Muitos pais dormem até mais tarde nesses dias e as crianças talvez fiquem livres para ficar andando e meter-se em dificuldades. Os pais cônscios destas tendências podem fazer arranjos de canalizar as energias dos filhos para atividades construtivas nestas horas.
   Outra ajuda é saber por que ocorrem a maioria dos acidentes. Tem-se verificado que a criança inclinada a ser acidentada é usualmente ativa demais, inquieta, impulsiva e insegura. A criança que não sofre acidentes é geralmente mais tímida, submissa e, usualmente, provém dum grupo familiar mais intimamente unido. Parece também que os “simples” eventos e dificuldades cotidianos provocam a maioria dos acidentes: pequena enfermidade de um membro da família; um genitor cansado demais, ansioso ou distraído; um jovem preocupado, tenso ou muito faminto. Estes e outros incidentes fixam o palco para muitos acidentes.

Perigos Para os Infantes

* Bebês de colo: 

QUEDAS: Milhões de criancinhas são feridas todo ano devido a quedas na casa e próximo a ela. As quedas de camas de adultos representam alta porcentagem de graves ferimentos em bebês, os meninos sendo mais suscetíveis que as meninas. Até mesmo berços, considerados o lugar mais seguro para os bebês podem conter perigos ocultos. Contém o seu? Estão as grades sempre colocadas, de modo que o bebê não possa cair? Estão acolchoadas as barras do berço para evitar ferimentos na cabeça, e estão espacejadas de tal forma que não possa ficar com a cabeça presa nelas?

QUEIMADURAS E AFOGAMENTOS: As mães experimentam primeiro a temperatura do banho do bebê antes de lavá-lo, e seu leite antes de alimentá-lo. Compreendem o perigo de algo quente demais externa ou internamente. Todavia, certas mães, ao passo que evitam queimar os bebês, expõem-no ao afogamento. Muitos bebes ficam sozinhos na banheirinha, e em tenra idade. Parece não haver qualquer motivo válido para se deixar um bebê sozinho na água, até mesmo por um minuto. Para evitar quaisquer destes incidentes, muitas mães levam os bebês sempre que têm de atender o telefone ou à campainha da porta.

SUFOCAMENTO E ENGOLIR OBJETOS ESTRANHOS: Deve-se tomar cuidado para evitar que o bebê seja sufocado no berço por roupa de cama, sacos plásticos ou travesseiros. Também, uma das primeiras e primárias funções dum bebê — a de engolir — pode ser perigosa. Pequenos objetos, tais como alfinetes; contas, botões e instrumentos pontiagudos devem sempre ficar longe do alcance do bebê. Nenhum chocalho ou outro brinquedo deve ser menor do que a sua boca. Uma vez que o bebê se apodere de algo, o próximo passo que dará será chupá-lo e então engoli-lo se puder. Já não lhe aconteceu de estender seu dedo para um bebê, apenas para vê-lo segurá-lo firmemente e prontamente levá-lo à boca? Então, imagine só se seu dedo fosse algum objeto prejudicial.

* Bebês que engatinham: 
   Por volta do tempo em que a criança tem cerca de dois anos, já terá alcançado a idade exploratória. Não mais se limita ao seu berço ou quadrado de brinquedo. Agora mete seu narizinho em outras áreas da casa, e tem de ser vigiada ainda mais cuidadosamente do que antes.
   Naturalmente, ainda está sujeita a queimaduras e a quedas, mas de aspectos diferentes. Agora pode alcançar coisas acima de sua cabeça e derramar coisas quentes sobre si mesma. Ou, com as molas recém-descobertas de suas perninhas, talvez possa subir em cadeiras e em outros móveis para inclinar-se para fora de janelas ou inspecionar guarda-louças, armários de remédios, armários embutidos e uma hoste de outras coisas. Produtos prejudiciais têm de ser guardados e trancados longe de seus olhos e de suas mãos perscrutadoras.
   Uma criança de dois anos não sabe a diferença entre uma inofensiva caixa de cereal seco e uma caixa que contenha detergente. Assim, ao passo que o espaço sob a pia talvez pareça ser um bom lugar para se guardar fortes detergentes, água sanitária, polidores e coisas semelhantes, NÃO é, se tiver filhos pequenos. A criança engolirá quase tudo, até mesmo coisas que cheiram mal ou têm sabor ruim.
   Ferimentos causados por queimaduras constituem outra ameaça. ? Os adultos sabem que os incêndios podem ser muitíssimo destrutivos. Mas, para as criancinhas, as chamas são fascinantes de observar. E querem brincar com fósforos até mesmo quando lhes proibir de fazê-lo. Mantenha materiais inflamáveis, inclusive fósforos, longe do alcance das crianças.
   Os pais devem analisar quantos venenos seus lares contêm. Acha que o seu é comparativamente seguro? Considere o seguinte: calcula-se que há cerca de 25.000 venenos potenciais disponíveis nas lojas! Não precisam trazer o rótulo de venenosos para o serem. Dentre a ampla variedade, a aspirina se acha entre os mais comuns, sendo responsável por cerca de 25 por cento das mortes por envenenamento. Outros venenos comuns são os inseticidas, alvejantes, detergentes e lustradores de móveis. Tratam-se de itens seguros quando usados por adultos, mas podem ser assemelhados ao TNT quando manejados por uma criança.
   Quando foi a última vez que jogou fora todos os seus remédios, latas de tinta e líquidos de limpeza antigos? Contenta-se em apenas jogá-los na lata de lixo? A criança que engatinha não achará nada de mal em remexer na lata de lixo ou até no vaso sanitário quando não está olhando. Remédios e líquidos devem ser derramados no esgoto e deve-se puxar a descarga. As latas devem ser amassadas, se possível, e levadas para longe prontamente.
   
Disciplina — Instrumento de Segurança

   A disciplina é um instrumento forte e eficaz que os pais possuem para proteger os filhos. Quando se ensina ao filho que ajunte seus brinquedos, ele aprende o primeiro essencial para a segurança da criança.
   Outro aspecto da disciplina é a linguagem que usa e a comunicação que tem com seus filhos. Às vezes, suas palavras devem ser obedecidas de imediato para que fiquem plenamente protegidos. Será que seus filhos lhe obedecem? Verifica que tem de gritar e bradar antes que suas ordens sejam obedecidas? Talvez verifique que a maior parte do tempo vive dizendo “não”. Se usar o “não” com demasiada freqüência, pode perder sua efetividade em reais emergências. Por exemplo, quando diz à sua filha que não toque no fogão porque é quente e a queimará, será que ela assim mesmo tocará nele? Ela não devia ter que aprender isto apenas por experiência própria. A obediência completa é necessária às vezes, até mesmo se a criança não compreender plenamente a razão naquela hora.
   Para alcançar este alvo, muitos pais acham de auxílio evitar dar sempre ordens quando pedem algo ao filho. “Faça o favor de apanhar seus brinquedos” é amiúde obedecido mais rapidamente do que uma ordem dura. Daí, pode constituir um vocabulário de ordens a ser usado quando surgir real perigo. Mas, se forem dadas ordens para toda coisa trivial, talvez não sejam obedecidas em situações perigosas.
   Sempre que seja necessário dar uma ordem, suas maneiras devem ser calmas, porém firmes. O tom de sua voz deve inequivocamente soletrar “PERIGO”, exigindo obediência, e imediata! Daí, suas ações, junto com suas palavras, obterão a atenção necessária. Isto talvez exija muito treinamento, e até mesmo surras, mas, com o tempo, as ordens que tiver de dar serão mais prontamente obedecidas.
   Consideramos algumas das coisas de que os pais podem ficar cônscios no seu papel de protetores. No entanto, apenas arranhamos a superfície, visto que tratamos primariamente de bebês e crianças que engatinham. Os acidentes também acontecem com crianças em idade pré escolar e escolar. Veja como evitar acidentes com crianças maiores.

Texto baseado na Revista Despertai! de 8 de fevereiro de 1970 p. 8-12

* Imagens: Google




((•)) Ouça este artigo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...